domingo, 17 de julho de 2011

Método de Glenn Doman: Relatos de pais cujos filhos cresceram

Uma das grandes dúvidas que os pais possuem é sobre o futuro das crianças que aprendem a ler pelo método de Glenn Doman (GD). No livro "Como Ensinar seu Bebê a Ler" (versão em português), existe um capítulo muito interessante denominado "O que as mães dizem". Selecionei alguns desses casos onde os pais do mundo inteiro relatam a evolução dos seus filhos até a vida adolescente.

Uma mãe de Columbia Inglesa citou que aplicou o método nos seus filhos gêmeos. Ao longo da vida escolar, eles sempre foram os primeiros da classe. Quase sempre foram colocados em classes para "superdotados". Aos três anos, eles liam fluentemente e com compreensão, e aos quatro já escreviam. A mãe cita a própria experiência com o ensino dos seus filhos como uma das mais gratificantes.

Outra história bem interessante, foi narrada por pais da Inglaterra. Em 1973, eles se mudaram para as ilhas Maurício, no Oceano Índico. Eles ensinaram o filho a ler pelo método de GD e até houve reclamação de parentes sobre o estímulo da leitura (é comum os familiares não acreditarem no método). Aos sete anos, o filho deles lia como se tivesse onze, e aos treze ganhou uma bolsa de estudos completa para Harrow, uma renomada escola na Inglaterra.

Em Fort Washington (Maryland), uma mãe aplicou o método de GD quando sua filha tinha três anos. Esta filha foi finalista de um concurso de bolsas de estudo por mérito e aos doze anos ganhou uma competição nacional de poesias.

Em Nova Iorque, um pai citou os resultados do seu filho Alexandre que aos três anos já estava sendo sondado para fazer parte do programa de superdotados da Universidade de Columbia. Ao fazer o teste de Q.I. de Stanford Binet, os psicólogos comentaram que o Q.I. de Alexandre era superior a 160, porém o teste só podia medir até 160. O psicólogo também citou que Alexandre era o garoto mais inteligente que ele já havia testado. O pai citou que estava convencido de que o resultado do teste de Q.I. do seu filho foi uma consequência direta do método de GD.

Para finalizar este post, uma história muito interessante de Ft. Wayne, Indiana. Uma mãe citou a evolução do seu filho Keith que a partir dos 16 meses foi ensinado pelo método de GD. Ele se formou no San Francis College em primeiro lugar e foi orador da turma de Química e Biologia, com somente 16 anos. Aos 20, recebeu o título de Ph. D., conforme está exposto a seguir (texto original que achei num blog):

March, Keith L., M.D., Ph.D.

UNDERGRADUATE:

1974 - 1975, at the age of 12, 
Audited 6 Undergraduate hours at Mississippi College, Jackson, Mississippi

1975 - 1979, at the age of 16, 
Received his B.S., Chemistry/Biology
St. Francis College, Fort Wayne, Indiana
Valedictorian of class with a 4.0 grade point average

GRADUATE:

1979 - 1983 at the age of 20
Received Ph.D., Chemistry with Highest Distinction
Indiana University
Awarded October 11, 1983
Thesis: "Electrostatic Interactions and Ion Binding in Trypsin, Bovine
Pancreatic Trypsin Inhibitor, and Other Proteins"

1979 - 1985 at the age of 22
Received Combined M.D./Ph.D. Degree
Indiana University School of Medicine
Awarded May 12, 1985
M.D. with Highest Distinction


Os fatos deixam bem claro que o método de GD trás benefícios comprovados ao longo de toda a vida dos bebês que tiveram este estímulo. Algumas correntes pedagógicas ainda não se convenceram disso, por isso disponibilizo as informações para que os pais possam tirar suas próprias conclusões.

Se você gostou da postagem e quer ficar informado sobre as novas publicações, clique no botão curtir: