quinta-feira, 4 de junho de 2015

A evolução no xadrez: uma prova do raciocínio das crianças

Já faz bastante tempo que não publico neste blog. Estou retomando justamente com um tema que chamou bastante a atenção. Será que um bebê ou uma criança pode realmente aprender xadrez? A postagem anterior trata das aulas iniciais que devem ser concentradas na identificação das peças. Posteriormente iniciei o processo de movimentação das peças escolhendo as mais simples. A última peça a ser ensinada foi o cavalo. Durante alguns meses, as partidas eram voltadas apenas para movimentar o peão. O ensinamento foi feito com uma frequência de 1 ou 2 vezes por semana. Com uma baixa frequência, ela e o irmão mais novo conseguiram manter um grande interesse nas partidas de xadrez. No momento do jogo (ensino), ambos mantiveram grande concentração. Em raros momentos, a concentração era perdida e eu encerrava imediatamente a partida, garantindo que os dois ficassem ansiosos pela próxima sessão.